Enfim, um motivo para se animar



Meu malvado favorito é mesmo irresistível. Há muito tempo eu não via uma animação com tantos personagens tão carismáticos juntos: o simpático Gru, as pequenas Margo, Edith e Agnes, além dos fofíssimos minions, os monstrinhos amarelinhos aí da foto. Aliás, grande ideia a de colocar um vilão como protagonista da história, o que faz sua trajetória ficar divertida. Do contrário, não passaria de mais uma historinha-com-lição-de-moral-para-crianças (se bem que, no cinema, quem mais ria eram os adultos...).

Gru é ambicioso. Inconformado ao perder o título de maior ladrão do mundo para o novato Vetor, ele decide pôr em prática seu mais novo plano: roubar a lua. E nessa empreitada maluca, ele conta com a ajuda das meninas, "adotadas" pelo vilão. No fundo, é a velha história das crianças que mudam de pernas pro ar a vida de um adulto, e fazem com que ele veja o mundo com outros olhos. Pode até ser clichê, mas a graça toda está nas situações inusitadas que vão surgindo ao longo do caminho, como: "Será que eu adio o roubo da Lua para assistir à apresentação de balé das meninas?". É, Gru é do tipo coração mole, mas luta enquanto pode para manter sua reputação. E a gente se diverte (e muito) com isso.
  

Os minions são um achado, e não duvido nada se ganharem sua própria série na TV, a exemplo dos pinguins de Madagascar. As crianças, especialmente a menorzinha, Agnes, são fofas até dizer chega. Gru, Vetor e o Dr. Nefario também são exemplos de grandes caracterizações, tanto no visual marcante quanto nas vozes (vi a versão dublada, mas nos clipes originais também dá pra se perceber esse cuidado). E ver que esse investimento todo vem de um estúdio que corre por fora na área de animação, o Universal, que se arriscou pela primeira vez no 3D, é (sem trocadilhos) animador. Mais ainda numa hora em que a Dreamworks  e a Pixar decepcionam um pouquinho.

Shrek para sempre é um final um tantinho amargo para uma série que começou estupenda e criou estilo próprio: o ogro era um barato, mas o que divertia mesmo eram as referências (e alfinetadas) ao Disney way of life. Sorte que os hilários Burro Falante e Gato de Botas seguram a onda e continuaram divertidos até o fim, mas não dá pra achar que aquela história sem graça e arrastada ia agradar a quem tinha expectativas tão altas. Ah, e eu falei do Rumpelstiltiskin? Então deixa quieto.

Toy story 3 é bem agradável de se ver, só que pela nostalgia. Woody e cia. continuaram carismáticos, e o filme manteve com bons diálogos e suas deliciosas referências cinematográficas. Só que o desenho, que já foi pioneiro, apelou feio para a memória afetiva do público e investiu numa história que vinha sendo ensaiada desde a sequência anterior: existe vida para os bonecos depois da adolescência de Andy? A resposta para isso a gente já sabia, e soou meio repetitivo. O final foi de encher os olhos d'água, mas o terceiro filme também não ficou à altura da franquia. Pena. Por isso, é tão bom ver novos estúdios investindo em histórias originais. Já que estamos falando de indústria, tomara que a lógica da concorrência gere produtos melhores. A gente é que agradece.
Giselle de Almeida

4 comentários:

Fabiane Bastos disse...

KKKK
Adoro quando nossas opiniões divergem, essa semana isso aconteceu com Rocco e Toy Story.

Vc achou apelação o tom nostálgico dos brinquedos, e foi o que eu mais gostei.

As vezes tenho a sensação que não vimos o mesmo filme. Rs

BLOG DO PROFEX disse...

Giselle, Gosto de curtir comentários de filmes. Principalmente se são inteligentes. São indicações pra evitar perda de tempo. Estou te seguindo.
Bjks

Andréa Mota disse...

bem comentado, organizadinho e com assuntos bem interessantes.. precisei comentar. =)

quanto ao post.. não posso comentar, é que ainda não vi nenhum.. afff..

sucesso ai com o blog, moça..

Giselle de Almeida disse...

Oi, pessoal, muito obrigada pela visita e pelos comentários. Fico muito feliz mesmo. Prometo atualizar mais isso aqui logo, logo. :)

bjs