Do fundo do baú


Este blog não é de poesia, mas hoje eu peço licença a vocês pra publicar um poema que achei lá em casa, no meio de várias coisas guardadas no fundo do armário. A autora é a blogueira que vos escreve, mas fiquem tranquilos: não há nenhuma pretensão literária nisso... Antigamente eu tinha dessas coisas, sabe? Na minha fase adolescente tardia eu gostava de brincar de poeta. Muitos se perderam, outros eu arquivei num fichário, mas desse, em especial, eu gosto bastante. E, como eu ando numa fase meio nostálgica, achei legal resgatá-lo. Vai ver é a idade chegando... :)

Mistérios

mancha que não sai
trânsito que não anda
lágrima que não cai
chefe que não comanda

sapato que não cabe
conselho que não serve
gênio que não sabe
sangue que não ferve

produto que não vende
imagem que não reflete
discurso que não se entende
chance que não se repete

hora que não passa
gente que não cresce
piada que não tem graça
chave que não aparece

segredo que não se guarda
caneta que não escreve
noiva que não tarda
novela que não é breve

telefone que não toca
remédio que não cura
mudança que ninguém nota
permanente que não dura

promessa que não é dívida
cachorro que não tem dono
memória que não é nítida
criança que não tem sono

chuva que não para
fila que não termina
distância que não separa
roupa que não combina

receita que não dá certo
pele sem cicatriz
homem que não é esperto
final que não é feliz
Giselle de Almeida

5 comentários:

Fabiane Bastos disse...

Descobrindo novos talentos da blogueira...

chucky não se assuste não sou assassino disse...

Muito bacana sua Poesia ela me passa a sensação e certeza e de incerteza não sei porque. ^^

Tanto! disse...

Geralmente não perco tempo lendo poesia assim, que encontro perdida na net. Gosto do que gosto, e ponto. Mas comecei a ler a tua e gostei muito. Pena que não há pretensão literária: boas coisas poderiam surgir, quem sabe?

Mas bem... No mais, gostei do blog, viu? Fácil de ser lido, com texto bom de ser lido. Parabens!

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Adorei!

RobMaia disse...

Uau. Muito bom. Poema bem escrito, leve e com certo humor. Aliás, o blog inteiro é bom, até porque também gosto de cinema e já vi que aqui você aborda bem esse tema. Virei mais vezes. E seja sempre bem-vinda ao 'ti-rinhas'. Valeu mesmo. Abraços.