Futuro do pretérito



Como eu passei o fim de semana de folga (e desconectada), só agora vou postar sobre o filme que eu revi na sexta-feira (ver filme antigo em dia de folga é o máximo, a-d-o-r-o!): De volta para o futuro 2. Gente, eu não lembrava que o "futuro" era logo ali, em 2015! É hilário perceber que daqui a seis anos, não teremos ainda carros voadores, roupas que se ajustam e se secam sozinhas e as crianças não vão andar por aí em skates sem rodas. Tudo bem, as videochamadas já são uma realidade, mas a gente ainda usa o bom e velho telefone, não é mesmo?

Fiquei pensando muito nisso, em como seria um filme "futurista realista", se é que isso é possível. Acho que a nossa "evolução" até hoje é tecnológica, sim, mas num outro nível. Sem querer bancar a chata, mas é verdade que estamos muito dependentes do computador (ou do iPhone, ou do BlackBerry). Pra vocês terem uma idéia, as pessoas que me seguem no Twitter - é, eu sucumbi - devem estar bocejando de tédio de tão pouco que eu posto. Até aqui no blog às vezes eu demoro a aparecer! Tudo isso porque eu já fico tempo bastante diante do computador, no trabalho, e nas minhas horas de lazer, eu quero distância do PC! Isso é coisa de velho???

Na minha cabeça ainda não consegui um equilíbrio das coisas: ou eu vou ao cinema ou twitto que estou indo, ou aproveito as férias ou atualizo o fotolog, ou isso ou aquilo, como diria Cecília Meirelles. Pode ser pura incapacidade minha, pessoas, por favor não me julguem rabugenta tão depressa. Pode ser que um dia eu consiga conversar no MSN e fazer buscas no Google e ler meus blogs favoritos e baixar música ao mesmo tempo. Por enquanto não dá.
Giselle de Almeida

4 comentários:

Fabiane Bastos disse...

É coisa de velho sim, mas tudo bem agente entende, rsrs, é questão de tempo até vc se viciar completamente.

A parte II dessa trilogia é a minha favorita, não só pelo futuro que ja é muito maneiro (Tubarão 19!?!), mas pela parte em que ele volta no 1º filme. Prisioneiro de Azkaban também é meu favorito por isso.

Mudando radicalmente de assunto:
o SBT estreou na madruga Pushing Daises.

Leonardo Marinho disse...

"De volta para o futuro", acredita que nunca consegui assistir a nenhum filme da série? Sempre que chegava da escola a Sessão da tarde estava terminando e eu acabava perdendo o filme... Bem, azar...

Agora, sobre a dependência quanto ao computador e outros artefatos eletrônicos concordo plenamente. Eu mesmo sou incrivelmente dependente. Não consigo me imaginar sem um computador por muito tempo. Mas a questão é até que ponto precisamos ser dependentes.

Ah, e continua treinando, algum dia você consegue criar partições no cérebro e aí já vai poder postar no blog, twittar, conversar no MSN, pesquisar no Google e ouvir aquela música que tanto gosta. Não é difícil não, é bem fácil, mas exige treino e muita abstração. =]

Abraços!

Emanuelle Najjar disse...

Não tive grande surpresa quando reflito sobre "De volta ao futuro", mas meu grande choque foi me dar conta de que "Cybercops" um seriado japonês que eu amava, gravado em 1988 se passava no futuro... futuro: ano 2000!
Isso sim, é engraçado.

Marco Y disse...

Este post me fez relembrar da franquia "De volta para o futuro". Filmes muito divertidos e com cenas memoráveis.

Adoro a cena em que o Michael J. Fox toca uma música de Chuck Berry no baile de colegiais e termina ao estilo Jimmi Hendrix. Uma sacada sensacional...